Mostrando postagens com marcador Crônicas. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Crônicas. Mostrar todas as postagens

Nada mais volúvel que coração de Mãe

 

Certa feita perguntaram a uma Mãe qual era o seu filho predileto, qual deles ela mais amava. Deixando escapar um sorriso, disse: ""Não existe, algo mais volúvel que coração de Mãe. E, como Mãe te respondo: O filho preferido, aquele que me dedico inteiramente, de corpo e alma... 

  • É o meu filho doente, até que fique sã
  • O que não está em casa, até que retorne
  • O que está cansado, até que descanse
  • O que está com fome, até que se alimente
  • O que está com sede, até que sacie
  • O que está com frio, até que se agasalhe
  • O que está desempregado, até que esteja empregado
  • O que está endividado, até que honre seus compromissos
  • O que chora, até que ria, gargalhe
E, com o semblante tristonho, encerrou: O que me deixou...até o dia do reencontro.
por Erma Bombeck

***

@LulaOficial vamos governar exatamente como faz toda Mãe, cuidando de quem mais precisa. Vamos fazer mais e melhor que nos dois primeiros mandatos. Acredite!

Empatia, por Orlando De Souza

EMPATIA – Uma crônica

O maior desafio da atividade humana é o conhecimento.
E o conhecimento da humanidade pela atividade humana é o desafio dos desafios.

Nisto consiste o sentir a dor do outro.

Porque cada um de nós é único na forma do sentir.
Somos, por exclusividade, sozinhos nas nossas dores.

Em que pese os esforços da filosofia, da psicanálise e das religiões.

A ciência sempre buscou o contato com a diferença, porém o máximo a que chegou foi descobrir que a gente é capaz de se importar.

Nunca foi fácil, todavia. 

E com a disseminação do ódio institucionalizado, tem ficado ainda mais difícil conhecer o outro, conhecer o seu mundo.
O importar-se com ele, com sua dor.  
Romantizar a morte de 650 mil pessoas é trágico e é sórdido.

Um horror!

Romantizar é naturalizar o que não é natural. É achar normal a violência, é não se importar nem se sensibilizar com os sepultamentos em valas comuns, normalizar a negação da ciência e os crimes cometidos contra a vida pela autoridade mor da República. 

Nós não podemos banalizar a estupidez. 
A barbárie não pode nos embrutecer! 

Entretanto, o fato de a gente não se deixar embrutecer não implica sair por aí romantizando aquelas histórias melosas onde os personagens morrem de amor.

A gente também romantiza a história dos pais analfabetos que conseguiram alfabetizar os filhos, ser esteio e chão da família mesmo tendo seus mais elementares direitos espoliados ao longo de uma vida. 

Dor alguma pode ser romantizada. Romantizar é disfarçar a indiferença, sobretudo em relação à miséria e os miseráveis. 

Portanto, parem de romantizar a pobreza! 

Ser desempregado dói. Sentir fome dói. Ser pobre dói. Não ter acesso à educação dói.

Desde quando é bom ser pobre?
Alguém aí sabe?

As pessoas atuam em diferentes sintonias, não há dúvida. 
Não fôssemos tão exacerbados em nosso narcisismo, haveria menos dificuldades nas nossas relações com os outros.
Ainda que nada nos garanta sentir ao outro.

Não é possível acessar a dor de uma pessoa, mas podemos nos inclinarmos à ideia de simpatia e ter EMPATIA pelo seu sentimento.

Temos que exercitar a empatia uns pelos outros porque isso nos torna menos orgulhosos e egoístas.

Quando nos colocamos no lugar do outro fica mais fácil  compreendê-lo. 

Quando nos colocamos no lugar do outro, temos a efetiva oportunidade de amar ao invés de nos armar!

Quando nos colocamos no lugar do outro, desenvolvemos a compaixão, e procuramos fazer algo para amenizar seu sofrimento. 

Quando nos colocamos no lugar do outro, expandimos nossa capacidade de amar e de entender que fazemos parte de uma imensa família. 

A empatia nos torna mais humanos, mais próximos da realidade do outro, de suas dificuldades e de seu caminho. 

O hábito de colocar-se no sentimento de alguém, é um grande recurso de que dispõe o homem novo para suas conquistas espirituais elevadas. 

É chegado o momento das grandes modificações, das grandes revoluções no interior do homem, e a empatia está lá, como excelente agente de transformação moral. 

A máxima revolucionária é agirmos conforme aquilo que desejamos para nós mesmos. 

Sentir pelo outro.
Importar-se com ele... 

(Orlando De Souza)

Uma parábola tailandesa


Uma vez, existiu um mendigo que estava tentando juntar comida. Ele notava que todos os dias a sua comida desaparecia. Um dia, achou o rato que pegava a comida dele e perguntou para o rato: “Porque você está roubando de mim? Eu sou um mendigo! Você poderia estar roubando de pessoas ricas e isso não ia afetar elas.”

O rato disse para o mendigo: “Está no seu destino que você só pode possuir apenas oito itens, não importa o quanto você peça, não importa o quanto você juntou, isso é máximo que você poderá ter.” O mendigo ficou chocado e falou: “Porque é esse o meu destino?” E o rato disse: “Eu não sei! Você deveria tentar perguntar a Buda.”

Então, o mendigo sai em uma jornada para procurar Buda e

Crônica do dia

Como viver sem mulher?

O marido e a mulher não se falavam há uns três dias por uma discussão boba.  Entretanto, o  homem se lembrou que no dia seguinte teria uma reunião muito cedo🕥 no escritório. Como precisava levantar cedo, resolveu pedir à mulher para acordá-lo. Mas, para não dar o braço a torcer em falar cm ela, resolveu escrever um bilhete:

"-Me acorde às 6h horas da manhã".🌞
No outro dia, ele levantou e quando olhou no relógio eram 9h30. O homem teve um ataque de fúria e pensou:
"-Que drogaaaaa!!!  Mas que absurdo!  Que falta de consideração, ela não me acordou..."Nisto, olhou para a mesa de cabeceira e reparou um papel no qual estava escrito:

"-...São seis horas da manhã, levanta!!!"

Moral da estória: Não brigue, não implique com as mulheres, elas nunca perdem, estão sempre e são simplesmente geniais na vingança.

O casamento é a relação entre duas pessoas, onde uma pessoa está sempre certa e a outra, bom, a outra é o marido que sempre ignora nossa sabedoria!

Meu nome é MULHER!
Eu era a Eva, fui criada para a felicidade de Adão.
Mais tarde fui Maria, dei à luz aquele que traria a salvação.
Mas isso não bastaria...
Passei a ser Amélia, a mulher de verdade. Para a sociedade, não tinha o menor valor. 
Mas sonhava com a igualdade.
Muito tempo depois decidi:
Não dá mais! Quero minha dignidade. 
Tenho meus ideais! 
Hoje não sou só esposa ou filha...

Sou pai, mãe, mulher de família...

Sou caminhoneira, taxista, piloto de avião, policial feminina, trabalho nas forças armadas,  operária da construção,  PROFESSORA, ADVOGADA, CONTADORA, TECNICA EM ENFERMAGEM, ESTUDANTE, ESTAGIÁRIA, MÃE,  DONA DE CASA ...
A vida peço licença para atuar onde quiser.

Meu sobrenome é COMPETÊNCIA!!!

Meu nome é MULHER!!!

Enviar a todas as MULHERES MARAVILHOSAS e somente aos homens inteligentes...

Olha aí mulherada!!!🎀

Feliz Outubro Rosa pra todos nós😘

💐🌸🌷🌺🌹
Quem souber a autoria desta linda e maravilhosa crônica por favor deixar nos comentários o nome pra que seja dado os devidos créditos.